Seguro Residencial: tudo o que você precisa saber antes de contratar um seguro para o seu imóvel

As principais coberturas, dicas para contratação, como proceder em casos de sinistro e quanto custa um Seguro Residencial.

A compra da casa própria, assim como a compra ou troca do carro antigo por um mais novo, está entre os principais desejos de consumo dos brasileiros, e os motivos são vários: conforto e segurança para a família, estabilidade, investimento, e por aí vai.

Ainda assim, é comum fazer um seguro para o carro e deixar de lado a proteção para a residência, seja por desconhecimento ou mesmo pela falta de cultura da contratação do Seguro Residencial.

Se avaliarmos bem, vamos notar que o custo x benefício da contratação de um Seguro Residencial vale muito a pena, principalmente para quem possui imóveis que estão expostos a algum tipo de risco.

Continue lendo o artigo e você verá como funciona o Seguro Residencial, suas coberturas e assistências, além de dicas e cuidados que você deve ter ao contratar um seguro para o seu imóvel.

Não menos importante, incluímos também medidas que devem ser tomadas em casos de sinistro.

Como funciona o Seguro Residencial

O Seguro Residencial é o que chamamos de seguro multirisco, ou seja, é um seguro que em uma única apólice, oferece diversos seguros conjugados ou agrupados.

Como o próprio nome já diz, este seguro é destinado a imóveis residenciais individuais, como casas, sobrados, apartamentos, sejam de uso habitual (moradia permanente) ou de veraneio.

Coberturas e Assistências do Seguro Residencial

São muitas as coberturas e assistências disponíveis para contratação no Seguro Residencial. De forma geral, as coberturas se dividem em duas categorias: básica e complementares (ou adicionais).

Cobertura Básica

Nas principais seguradoras, a cobertura básica oferece garantias que cobrem o imóvel contra danos decorrentes de: incêndios, explosões (de qualquer origem) e quedas de raios.

Além da reposição dos bens que são perdidos caso aconteçam alguns desses incidentes, as coberturas podem garantir também uma indenização que cubra os custos com as obras de reconstrução do imóvel.

Isso vai depender se você optou por contratar um seguro com cobertura para o prédio (estrutura ou construção), para o conteúdo (móveis, utensílios, eletrodomésticos, etc.) ou ainda, para ambos os casos.

Coberturas Complementares

As principais coberturas complementares ou adicionais são para roubo ou furto qualificado, danos elétricos, vendaval (incluindo granizo, furacão e tornado), quebra de vidros, impacto de veículos e aeronaves, responsabilidade civil familiar e escritório na residência (home office).

Assistência Residencial

É possível ainda incluir na apólice de Seguro Residencial um plano de assistência 24 horas, que pode ser bem interessante para quem mora sozinho, passa muito tempo fora de casa ou não tem empregada, por exemplo.

Os serviços oferecidos atualmente são muito variados e poderão ser acionados em situações de emergência: chaveiro, encanador, faxineira, babá, serviços para animais domésticos, entre outros.

Existem os planos básicos, que muitas vezes são oferecidos gratuitamente pela seguradora, e os mais completos, onde o limite de utilização será maior, assim como, haverá um número maior de serviços.

É importante escolher o plano de assistência que se encaixa melhor com as suas necessidades, para que você não pague por serviços que nunca serão utilizados.

Dicas e cuidados para contratação do Seguro Residencial

Antes de contratar um seguro para sua residência, é importante que você avalie as garantias e o valor segurado de cada cobertura que será incluída na apólice. (O valor segurado também é chamado de LMI – Limite Máximo de Indenização)

Para isso, levam-se em conta, principalmente, as características do imóvel, o conteúdo existente (móveis, utensílios, eletrodomésticos, etc.) e as suas reais necessidades enquanto morador.

O valor segurado, ao contrário do que muita gente pensa, não deve ser determinado a partir do valor do imóvel, mas sim dos custos para reconstrução e reposição dos bens que possam ser roubados ou danificados.

O valor do terreno, portanto, não entra nessa conta, pois mesmo que sua casa seja inteiramente destruída, você ainda permanecerá dono do terreno.

Para determinar o custo de reconstrução, leva-se em conta o valor do metro quadrado, incluindo os acabamentos. Já o valor de reposição dos bens do interior da casa é estimado após um simples levantamento, feito por você mesmo ou, em alguns casos, após perícia da seguradora.

No caso de apartamentos, verifique as coberturas presentes na apólice do seu condomínio, para evitar pagar duas vezes pela mesma coisa, pois é dever do administrador de condomínio, conforme previsto no Código Civil – Lei nº 10.406 (art. 1.346), contratar seguros que cubram danos à estrutura do prédio contra o risco de incêndio ou destruição, total ou parcial.

É muito importante que você tenha a certeza de que seu seguro está cobrindo aquilo que você acha que ele está, para que nenhuma surpresa acabe surgindo de última hora, depois que o incidente já ocorreu.

Não esqueça que, como em qualquer outro seguro, existem exclusões, ou seja, determinadas situações ou itens que não estarão cobertos pela sua apólice de Seguro Residencial.

Quanto custa um Seguro Residencial

Para que você tenha uma ideia, o seguro para uma casa ou apartamento não chega a custar por ano nem 0,5% do valor do imóvel e, mesmo quando atinge 1%, não se compara com o preço do seguro para automóveis, por exemplo, que varia entre 3 e 9% do preço do veículo.

Fatores como a localização, tipo de imóvel, valor segurado, a quantidade e as coberturas que estarão sendo incluídas na apólice são alguns dos itens que influenciam no preço do seguro.

O seguro para um apartamento pode ter o custo 20% menor se comparado ao seguro de uma casa. Isso acontece porque apartamentos dispensam, por exemplo, coberturas como as de alagamento e vendaval, eventos que podem causar grandes prejuízos às casas.

Já as casas, por não contarem com itens de segurança como porteiro e câmeras, estão mais expostas à ação de bandidos, o que pode requerer uma cobertura reforçada de roubo e furto.

Por conta das suas características de uso e construção, o seguro para alguns tipos de imóveis pode sair mais caro, ter restrição para a contratação de algumas coberturas e até serem recusados por pelas seguradoras.

É o que acontece com as casas de veraneio que, por ficarem vazias a maior parte do tempo, se tornam mais vulneráveis a furtos e há mais riscos de destruição em caso de incêndio, pois não haverá ninguém para conter o fogo a tempo.

De igual modo, as casas de madeira são mais frágeis em caso de incêndio, vendaval ou alagamento, logo, é de se esperar que o seguro seja mais caro para imóveis que são construídos com este tipo de material.

Com relação à localização, alguns dos fatores que podem encarecer o preço do Seguro Residencial são: grande incidência de vendavais, raios, granizo e alagamentos ou ainda alto índice de roubo a residência.

O que fazer quando acontecer um sinistro

Em casos de sinistro, você deve procurar a sua seguradora o mais rápido possível e informar o que aconteceu. É possível fazer o aviso de sinistro por telefone e, na maioria das seguradoras, pela internet.

Não deixe de informar seu corretor de seguros, pois é ele quem o orientará quanto aos próximos passos que deverão ser seguidos e será o facilitador na sua relação com a seguradora.

Além disso, se for o caso, faça o registro de um Boletim de Ocorrência Policial e procure conservar os indícios e vestígios deixados no local, preservando todos os bens atingidos. Isso facilitará o trabalho dos peritos da seguradora no que diz respeito à averiguação dos fatos.

Em quanto tempo a indenização é paga? O pagamento da indenização, por lei, deve ser feito após a comunicação do sinistro em até 30 dias a partir do cumprimento de todas as exigências, ou seja, envio dos documentos solicitados pela seguradora.

Tenho que pagar franquia? No Seguro Residencial também há aplicação de franquia ou POS (Participação Obrigatória do Segurado). Para quem não sabe, é ela que estipula o valor mínimo de prejuízo necessário para que o seguro possa ser acionado, ou a quantia que deve ser desembolsada pelo segurado em caso de sinistro.

A franquia é cobrada apenas em algumas coberturas, como danos elétricos, vendaval, impacto de veículos e escritório em residência, e não costuma ultrapassar 10% do valor segurado para aquela cobertura.

Para um valor segurado de 5.000 reais na cobertura de danos elétricos, por exemplo, a franquia ou POS seria de, no máximo, 500 reais.

Diferente de como acontece em outros tipos de seguros, a franquia ou POS do Seguro Residencial é descontada do valor da indenização feita pela seguradora.

Conclusão

O Seguro Residencial é um seguro completo no que diz respeito às garantias, coberturas e serviços disponíveis para contratação.

Pode-se optar uma cobertura básica e um plano de assistência residencial simples, mas também, contratar um seguro com coberturas e serviços mais abrangentes, pagando-se mais por isso, é claro.

Sendo assim, avalie a sua real necessidade, os serviços oferecidos por cada seguradora, e contrate um Seguro Residencial adequado para proteger o seu imóvel, seus bens e sua família.

Mais publicações sobre Casa

Olá,

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

Quer receber mais conteúdos interessantes como esses?

Cadastre-se para receber nossos conteúdos por e-mail!

Uma iniciativa:

© 2017 Educa Seguros | Política de Privacidade